PIADAS DE BICHAS

Tinha duas bichas ricas passeando na Suiça pela primeira vez. Uma delas estava se preparando para esquiar enquanto que a outra olhava toda excitada para a pracinha na frente do hotel e exclama à sua companheira: – Olha querida, antes de esquiar, que tal brincar com as bolinhas de neves? – Neves???… Cadê esse Neves???… cadê esse Neves???…

Eram três bichinhas conversando, sobre o que cada uma gostaria de ser, se elas pudessem escolher: – Ai, eu gostaria de ser… Uma bola de futebol!! Disse a primeira. – Bola de futebol??!?!?! Exclamaram as outras duas. – E sim! Já imaginou, eu num campo de futebol, 20 homens me chutando, me disputando e dois homenzarrões me agarrando. Tudo isso durante 90 minutos! AAAAAAAAHHH! Ia ser demais! – E mesmo! concordaram as bichonas. Aí foi a vez da segunda, que mandou essa. – Eu gostaria de ser um campo de futebol. – Campo de futebol?!!? disseram as madames. Você tá doida! – Imagina só aqueles mesmo 22 jogadores, me pisando o tempo todo, caindo por cima de mim, com aquelas camisas suadas! AAAAAAhhh!!!!! Eu ia ficar doida! A terceira bicha não se conteve: – Ah é, vocês duas não sabem de nada! Eu queria é ser uma ambulância!!! – Ah, não agora nós não entendemos! Replicaram as dondocas. – Imagina só, eu estou na minha, vem dois enfermeirões, me abrem por trás e ai enfiam um homem toooodinho por trás, e eu saio pela cidade que nem uma doida gritando. UUUUAAUUUAUUUUAAAUUUUAAAAAA!!!!!!!!

LULA VISITA HOSPITAL

Lula está fazendo uma visita num hospital. Ele está passando por uma ala acompanhado do diretor do hospital, quando vê um homem num quarto masturbando-se ferozmente. A situação é meio constrangedora, e o presidente pede uma explicação. O diretor explica: – Trata-sede uma doença rara. Este paciente produz uma quantidade anormal de esperma e ele é obrigado a masturbar-se quatro vezes ao dia para evitar que seus testículos explodam. O presidente se satisfaz com a resposta e prossegue a visita. Mais adiante, ele vê um paciente sentado numa cama com uma enfermeira ajoelhada aplicando-lhe uma bela sessão de sexo oral. – Exijo uma explicação para esta imoralidade num hospital tão conceituado como este. O diretor responde: – Mesmo problema, mas com um Plano de Saúde melhor…

FALTA EDUCAÇÃO

Educar sempre correspondeu à transmissão de conhecimentos, contudo, nos dias atuais, as escolas estão se transformando em ringues de violência, ao contrário de formar cidadãos, formam criminosos e delinquentes, constatando-se a triste realidade de inversão de valores. As famílias terceirizaram a educação de seus filhos para a escola, contudo elas não estão preparadas para receber tamanho fardo de moldar o caráter de seus alunos. Constantemente, os meios de comunicação noticiam casos de violência como brigas, mortes, efetuadas dentro do ambiente escolar ou nas ruas adjacentes, fazendo com que a violência escolar reflita de forma negativa no aspecto social, psicológico e jurídico de todos os envolvidos. Como métodos atuais de violência estudantil temos o “bullying” e o cyberbullying”: “Bullying” – são as violências físicas (agressão, roubos, amedrontamentos) ou psicológicas (isolamento, humilhações, insultos ou apelidos pejorativos) de forma intencional e pessoal, repetitiva e sem motivação evidente, ou seja, poder do mais forte em relação ao mais fraco. “Cyberbullying” – são todos os tipos de agressões efetuadas de maneira virtual como fotos ou boatos que deponham contra a imagem da pessoa, veiculados em celular, computador, blogs e redes de relacionamentos se escondendo o agressor nos meios eletrônicos. As referidas violências desencadeiam sofrimentos psicológicos, além de medo, raiva e vergonha, podendo em casos extremos chegar ao suicídio. Diversos estados brasileiros estão criando leis visando coibir as referidas práticas. No Poder Judiciário existem sentenças inéditas sobre o tema em apreço que começam a serem proferidas aplicando penalidades de danos morais, como a sentença do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul de 12/07/2010, referente a “cyberbullying” – Apelação Cível nº 70031750094, Sexta Câmara Cível e do Tribunal do Distrito Federal pertinente a “bullying”, processo 20060310083312, 2ª Turma Cível, julgado em 09/07/2008.

As referidas sentenças se baseiam na esfera civil como ilícito com supedâneos nos artigos 1286, 187, 927, 932 e 933 do novo código civil, código de defesa do consumidor art. 3º e 14º e Constituição Federal, sendo responsáveis todos aqueles que tenham contribuído para referida propagação sem as devidas cautelas. O Ministério da Educação (MEC) apesar de não possuir poder fiscalizador nas escolas, está preocupado com o referido tema tendo criado a secretaria (Secad) e implantado o Projeto “Escola que Protege”, além do livro “Formação de Educadores(as) – Subsídios para Atuar no Enfrentamento à Violência Contra Crianças e Adolescentes”, visando à capacitação de professores. Necessária uma reavaliação não só dos métodos pedagógicos embutindo maiores critérios de cidadania, mas também, uma formulação conjunta de novas medidas entre Poder Público, escola, comunidade e associação de pais e mestre, com a finalidade de ser efetuada uma análise sociocultural verificando os erros de todos os envolvidos para aos poucos buscarmos os acertos.