COLETÂNEA DE CANTIGAS

Capelinha de melão

Capelinha de melão
É de São João
É de cravo, é de rosa,
É de manjericão
São João está dormindo
Não acorda, não
Acordai, acordai,
Acordai, João!
Caranguejo

Caranguejo não é peixe
Caranguejo peixe é
Caranguejo não é peixe
Na vazante da maré.
Palma, palma, palma,
Pé, pé, pé
Caranguejo só é peixe, na vazante da maré!
Atirei o pau no gato

Atirei o pau no gato, tô
mas o gato, tô tô
não morreu, reu, reu
dona Chica, cá cá
admirou-se, se se
do berrô, do berrô, que o gato deu, Miau!
Ciranda cirandinha

Ciranda, cirandinha, vamos todos cirandar, vamos dar a meia-volta, volta e meia vamos dar
O anel que tu me deste era vidro e se quebrou
O amor que tu me tinhas era pouco e se acabou
Por isso, D. Fulano entre dentro dessa roda
Diga um verso bem bonito, diga adeus e vá-se embora
A ciranda tem tres filhas
Todas tres por batizar
A mais velha delas todas
Ciranda se vai chamar
Escravos de Jó
Escravos de Jó
Jogavam caxangá
Tira, bota, deixa o Zé Pereira ficar.
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá.
Marcha Soldado
Marcha Soldado
Cabeça de Papel
Se não marchar direito
Vai preso pro quartel
O quartel pegou fogo
A polícia deu sinal
Acorda acorda acorda
A bandeira nacional
O Cravo e a Rosa
O Cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada
O Cravo ficou ferido
E a Rosa despedaçada
O Cravo ficou doente
A Rosa foi visitar
O Cravo teve um desmaio
A Rosa pos-se a chorar
Nesta Rua
Nesta rua, nesta rua, tem um bosque
Que se chama, que se chama, Solidão
Dentro dele, dentro dele mora um anjo
Que roubou, que roubou meu coração
Se eu roubei, se eu roubei seu coração
É porque tu roubastes o meu também
Se eu roubei, se eu roubei teu coração
É porque eu te quero tanto bem
Se esta rua se esta rua fosse minha
Eu mandava, eu mandava ladrilhar
Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante
Para o meu, para o meu amor passar
Boi da Cara Preta
Boi, boi, boi
Boi da cara preta
Pega esta criança que tem medo de careta
Não , não , não
Não pega ele não
Ele é bonitinho, ele chora coitadinho
Ai, Eu Entrei na Roda
Refrão –     Ai, eu entrei na roda
Ai, eu não sei como se dança
Ai, eu entrei na “rodadança”
Ai, eu não sei dançar
Sete e sete são quatorze, com mais sete, vinte e um
Tenho sete namorados só posso casar com um
Namorei um garotinho do colégio militar
O diabo do garoto, só queria me beijar
Todo mundo se admira da macaca fazer renda
Eu já vi uma perua ser caixeira de uma venda
Lá vai uma, lá vão duas, lá vão três pela terceira
Lá se vai o meu benzinho, no vapor da cachoeira
Essa noite tive um sonho que chupava picolé
Acordei de madrugada, chupando dedo do pé
Terezinha de Jesus
Terezinha de Jesus deu uma queda
Foi ao chão
Acudiram três cavalheiros
Todos de chapéu na mão
O primeiro foi seu pai
O segundo seu irmão
O terceiro foi aquele
Que a Tereza deu a mão
Terezinha levantou-se
Levantou-se lá do chão
E sorrindo disse ao noivo
Eu te dou meu coração
Dá laranja quero um gomo
Do limão quero um pedaço
Da morena mais bonita
Quero um beijo e um abraço

LATIM?

PEQUENO VOCABULÁRIO:

ALIBI – em outro lugar

ALTER EGO – outro eu

A POSTERIORI – a partir do que vem depois

A PRIORI – a partir do que vem antes

AGNUS DEI – Cordeiro de Deus

CARPE DIEM – aproveite o dia

CORPUS CHRISTI – Corpo de Cristo

CURRICULUM VITAE – percurso de vida

EXEMPLI GRATIA (e.g) – por exemplo

ET CAETERA (etc) – e outras coisas

HABEAS CORPUS – que tenha o corpo

IN LOCO – no lugar

IN MEMORIAM – em memória de

IN VITRO – no vidro

IPSIS LITTERIS – pela mesma letra

LATO SENSU – no sentido lato, geral

PER CAPITA – por cabeça

PERSONA NON GRATA – pessoa indesejada

PRO FORMA – por mera formalidade

QUO VADIS? – aonde vais

SINE QUA NON – sem a qual não

STRICTO SENSU – sentido restrito

TABULA RASA – tábua raspada

DISTÚRBIOS DA LINGUAGEM

1 AFASIA

Distúrbio de origem central que se manifesta por dificuldades na compreensão ou na expressão oral e escrita, ou em ambas, e se divide em:

Afasia Verbal – é a dificuldade para se expressar em palavras

Afasia nominal – dificuldade para nomear alguma coisa, usa uma frase descritiva em lugar do nome do qual não consegue se lembrar.

Afasia sintática – emite frases curtas ou com erros, faltando artigos, conjunções e preposições.

Afasia semântica – não compreende o que ouve, usa frases curtas, mas há erro na pronúncia e na construção das frases (área de Wernick)

2 DISARTRIA

Dificuldade em pronunciar as consoantes labiais (m, b, p) e linguais (t, d, l). A fala é monotona, ou analasada, ou irregular, com seu ritmo e entonação perturbados.

3 DISGRAFIA

As dificuldades aparecem na execução dos movimentos necessários à escrita. As letras são mal traçadas, e seu tamanho pode ser desigual na mesma palavra.

4 DISLEXIA

Caracteriza-se por dificuldade em aprender a ler, acompanhada de erros gramaticais na escrita.

5 DISLALIA

A criança apresenta um padrão articulatório desviado do padrão articulatório adultode uma determinada língua, sem que existam defeitos nos orgãos da articulação e sem que haja lesão cerebral.

6 DISFONIA

Distúrbio na produção da voz (fonação); manifesta-se por meio de guinchos, rouquidão, entre outros. As causas podem ser emocionais, infecção ou nódulo na laringe.

7 DISFEMIA

A gagueira é sinônimo de disfemia. Distúrbios de base psicológica causam está perturbação na fluência da linguagem falada.

Para que haja fluência,os músculos da respiração e articulação têm que trabalhar de forma harmônica, garantindo um início suave de pronúncia e uma sincronia da respiração.

O gago tem dificuldade para manter essa harmonia.

Para superar a gagueira, criar em torno da criança um clima psicológico agradavel, de aceitação e confiança, evitando mencionar o problema,especialmente na primeira infância. Além disso, é possivel alcançar resultados positivos com técnicas de respiração, de articulação lenta de frases, de controle do ritmo da fala, atravéz de repetição de palavras e frases.

8 DISGLOSSIA

Distúrbios da articulação, deccorrentes de anomalia na lingua, no palato, na arcada dentária ou nos lábios.